outubro 15, 2010

ÄnÏmÄ Cris



“Pois aqui está a minha vida.
Pronta para ser usada.
Vida que não guarda
nem se esquiva, assustada.
Vida sempre a serviço
da vida.
Para servir ao que vale
a pena e o preço do amor


Ainda que o gesto me doa,
não encolho a mão: avanço
levando um ramo de sol.
Mesmo enrolada de pó,
dentro da noite mais fria,
a vida que vai comigo
é fogo:
está sempre acesa.


Nas águas da minha infância
perdi o medo entre os rebojos.
Por isso avanço cantando
Estou no centro do rio
estou no meio da praça.
Piso firme no meu chão
sei que estou no meu lugar,
como a panela no fogo
e a estrela na escuridão.


O que passou não conta ?, indagarão
as bocas desprovidas.
Não deixa de valer nunca.
O que passou ensina
com sua garra e seu mel.


Por isso é que agora vou assim
no meu caminho. Publicamente andando
Não, não tenho caminho novo.
O que tenho de novo
é o jeito de caminhar.
Aprendi
(o que o caminho me ensinou)
a caminhar cantando
como convém
a mim
e aos que vão comigo.

Vida, toalha limpa
vida posta na mesa,
vida brasa vigilante
vida pedra e espuma
alçapão de amapolas,
sol dentro do mar,
estrume e rosa do amor:
a vida.

Há que merecê-la.”

Thiago de Mello

abril 11, 2010

CAMINHO




 "- Da mesma forma que o golfinho conduz o náufrago de volta à vida, o homem deve recuperar em si a palavra desgastada, a emoção sufocada, o ideal perdido e a inocência maculada. Que as ações humanas desarmem-se de todo preconceito e possam se aproximar do olhar da criança - disse o sábio golfinho. Imbuídos desse espírito de tolerância, que espalhem a alegria no mundo e favoreçam a comunicação sincera, livre de medo e coerção. Que o homem possa resgatar sua criança interior, há muito recalcada, trancada nos porões mais escuros de seu inconsciente. Então, trazendo essa criança sempre pela mão, reencontrará a grande alegria de um ato de solidariedade. Se tornará um aliado de seu próprio destino e se aproximará enfim da chama brilhante do amor e da verdadeira vida."

janeiro 24, 2010

E.M. LEVI CARNEIRO


"Há muito tempo que eu saí de casa,
Há muito tempo que eu caí na estrada,
Há muito tempo que eu estou na vida,
Foi assim que eu quis, e assim eu sou feliz.

Principalmente por poder voltar
A todos os lugares onde já cheguei
Pois lá deixei um prato de comida
Um abraço amigo, um canto prá dormir e sonhar

E aprendi que se depende sempre
De tanta, muita, diferente gente
Toda pessoa sempre é as marcas
Das lições diárias de outras tantas pessoas

E é tão bonito quando a gente entende
Que a gente é tanta gente onde quer que a gente vá
E é tão bonito quando a gente sente
Que nunca está sozinho por mais que pense estar

É tão bonito quando a gente pisa firme
Nessas linhas que estão nas palmas de nossas mãos
É tão bonito quando a gente vai à vida
Nos caminhos onde bate, bem mais forte o coração."

(Gonzaguinha)


Nesta escola, em um cantinho, quase serra, de Niterói, construi uma estrada - fiz amigos, aprendi tanta coisa, tantos momentos de muita felicidade...inesquecíveis...pessoas inesquecíveis...Neste lugar, verdadeiro adubo para o chão que hoje com firmeza começo a trilhar.

E. M. Levi Carneiro...gratidão...encontro...vida...ESCOLA...

13.01.1999 a 20.01.2010




dezembro 02, 2009



"Bom dia, natureza
Pulmão da terra mãe
Portal da cor, futuro
Cada nascer do sol

Carinho, companheiro
É como se a paz
Cobrisse o mundo inteiro
Terra, água, fogo e ar

Quero o sabor, o som
Quero tocar, visão
Cheiro de vida
E um mar de gerações

Procuro a resposta
Por que criar a dor?
Se quando estamos juntos
Temos sonho, força e amor

Gema da criação
Herdeiro do pintor
Dono do amanhã
Do sim, do não

Coragem, companheiro
Pra que fechar a voz
Se a força do desejo
Pulsa em cada um de nós"

(Milton Nascimento)

outubro 09, 2009

Francisco de Assis



Francisco de Assis é um espírito de grande irradiação. Sua passagem pela terra foi marcada pela percepção do sentimento de fraternidade que nos une a todos os seres. Ternamente chamava a todos de irmãos e de irmãs: o Sol, a Lua, as formigas e o lobo de Gubbio. As coisas para Francisco tinham coração. Ele sentia seu pulsar e nutria veneração por cada ser, por menor que fosse. Como nos diz a música de Milton Nascimento:

"De magia, de dança e pés
De criança, cantor e mãos.
Alameda de gente vida
Fecha e mata qualquer ferida
De carinho, de roda e mãos
De esperança, de corpo e pés
A pulsação do mundo é
O coração da gente
O coração do mundo é
A pulsação da gente."

Francisco inspira em cada um de nós a inocência original, aquela que a despeito das poluições do mundo contemporâneo resgata em cada ser um estilo de vida, de cuidado e confraternização com aqueles que nos acompanham, fortalece a nossa fé em resgatar o encantamento pelo mundo. Uma declaração de amor a vida. Os franciscanos fizeram história no século XIII, quando surgiram, chamavam a atenção pela sua alegria, pelas cantorias, festas e como eram carinhosos entre si. Visitavam constantemente os acampamentos dos sarracenos, combatendo assim o preconceito contra os islâmicos que eram considerados bárbaros na Europa cristã. Francisco foi advertido inúmeras vezes pelo Papa, mas nunca deixou de visitar estes acampamentos. Para o historiador, Jacques Le Goff, pesquisador de referência para a Idade Média, Francisco foi vanguarda, anunciou a cultura hippie dentro da não-violência e da cultura de paz. Não é por menos que a sua oração mais conhecida, desbravou os limites das religiões.

Manifesto minha devoção a esta alma luminosa que me acompanha e conforta meu espírito. E como canta o Rei:

"Eu quero apenas olhar os campos,
Eu quero apenas cantar meu canto
Eu só não quero cantar sozinho
Eu quero um coro de passarinhos."

E como cantava Francisco...Senhor, fazei de mim um instrumento de vossa PAZ...

Cristiane Gonçalves

julho 28, 2009

You Get What You Give




"Lo que puede el sentimiento,
no lo ha podido el saber."

Violeta Parra